domingo, 20 de setembro de 2009

Um momento só

Hoje a chuva chegou cedo, bem de manhãzinha, sorrateira e calma como um animal que espreita de sua caça. Ouviam-se pássaros cantando por entre as folhagens das árvores que se alegravam com as gostas de água que a chuva gentilmente as regavam.

E pássaros diversos, multicores voavam sobre a planície a procura de alimento e abrigo. As árvores balançavam feito dançarinas a seguir o ritmo do vento que soprava suavemente suas folhas. Tudo estava belo e sereno naquela manhã de chuva, tudo se encaixava na mais pura e divina sintonia do planeta.

A chuva cai e vai molhando meus sonhos. Chuva severa e fria, dolorida e penetrante.Vai encharcando minha alma pelo caminho, em seu cair, corre de forma perene, incessante. Quieta, ponho-me em abrigo, sem lamentar...Desfruto do calor de um lugar maravilhoso.

O meu coração canta e eu volto a sonhar. Permito-me um sorriso largo e venturoso. E para mim é como se fosse um desafio, em minha mente crio campos verdejantes, o anoitecer de cada estrela brilha ao seu feitio.

Os pirilampos bailam em vôos alucinantes. Porém, este é um mundo que tenho agora...Eu quero habitá-lo, colorindo meu dia a dia. Quero trazê-lo para fazer parte da minha vida. Como a chuva incessante caindo lá fora.

Porém meu mundo embora já tenha alguns matisses, ainda possui alguns pontos escuros e eu preciso ter forças para colori-los. Deixar a luz, faze com que floresçam flores, passáros possam gorgear.

Talvez ainda não seja o momento para isso, mas tenho certeza que a chegada dela ao meu mundo virá me ajudar. Ela é o meu norte e meu porto. Pergunto-me se Eu sou digna de seu carinho e atenção e sinceramente ainda não sei a respostas. Talvez ela a tenha e possa me ajudar a compreender melhor o que SOU.

Ah o nome dela é Almerinda "Mel", 3 letras, duas consoantes, uma vogal e uma doce pessoa que que chegou para iluminar o meu mundo.